Sobre o tempo em que eu tinha tempo

Foto: Aaron Jasinski, Know Your Roots, 2011
Me lembro perfeitamente da rotina que tinha quando era pequeno. Saía da escola pontualmente às 11h30, chegava em casa às 11h45, almoçava e tinha tempo livre até o início da noite. Preenchia o que pareciam ser infinitas horas com cursos, tempo em frente ao meu Super Nintendo, lendo ou brincando na rua.

Lembro também como era aguardar ansiosamente o lançamento de algum filme e não ter dinheiro para ir ao cinema, afinal, o sustento da casa era provido pelo meu pai, e não sobrava muito no fim do mês quando o objetivo era sustentar quatro filhos. Comecei a trabalhar aos fins de semana para ajudar, mas ainda me sobrava muito tempo livre.

Hoje, mais de dez anos depois, ocorre o inverso. Consigo, sem muita dificuldade, comprar um livro aqui, outro ali, e faço o mesmo com filmes e jogos. A maior dificuldade é conseguir uma brecha na agenda e consumir o conteúdo que eu tanto gosto. A questão deixou de ser dinheiro.

A impressão que tenho atualmente é que das 6h às 22h não consigo fazer absolutamente nada, e quando sobram algumas horinhas me pego procrastinando, navegando em redes sociais. Até o tempo que destinava para escrever em projetos pessoais está escasso. 

Só hoje, com vinte e tantos anos, compreendo que o tempo é um dos recursos mais preciosos que temos. Não é à toa que muitas empresas pagam por hora. Aliás, você, leitor ou leitora, já parou para calcular quanto vale uma hora do seu tempo? Você recebe R$ 5, R$ 10 ou R$ 20 por hora? Mais que isso? Acha justo?

Paralelo a isso, quanto tempo você reserva para si mesmo, para realizar alguma atividade ou consumir conteúdo que te faça bem? E quanto tempo você desperdiça procrastinando ou simplesmente buscando desculpas para não ser uma pessoa realizada? 

Atualmente me encontro esperando que sobrem algumas horinhas para me dedicar a responder essas perguntas. Enquanto isso não acontece, sigo sentindo falta da época em que eu tinha tempo para fazer o que quisesse. Como diria o cantor e compositor Cazuza, o tempo não para!

Comentários