A Frequência Kirlian | Contos de terror à meia-noite

Ao mesmo tempo em que sites como YouTube, Vimeo e afins democratizaram a produção e publicação de conteúdo em vídeo, também transformaram a briga por espaço no audiovisual em uma verdadeira guerra.

Há centenas de webséries espalhadas por aí que provavelmente nunca atingiram (e nem vão) um público realmente grande. Uma solução para esses produtores independentes se darem bem, no entanto, é terem seus produtos adquiridos por alguma empresa multimilionária, que investe em pós-produção, marketing, localização e afins. Foi basicamente o que aconteceu com A Frequência Kirlian (série de terror/suspense), que estreou em fevereiro de 2019 na Netflix, mas existe há um bom tempo.


Sinopse

Produzida na argentina, a série animada tem curtos episódios de no máximo nove minutos e foca na existência de uma rádio com programação exclusivamente noturna no povoado de Kirlian, localizado em algum ponto da província de Buenos Aires. O programa de rádio que dá nome à série, A Frequência de Kirlian, entra no ar exatamente à meia-noite, e relata diversos acontecimentos sobrenaturais. É algo bem com uma pegada Stephen King mesmo.

Como surgiu (e chegou à Netflix)

A Frequência Kirlian teve início em 2009, quando a produtora Tangram Cine fez o piloto da série. O primeiro episódio nunca foi finalizado, mas a série ganhou novos formatos nos anos seguintes, até que em 2015 se transformou em animação. O criador do projeto, Cristian Ponce, contou com apoio de Hernán Bengoa, que já havia atuado em algumas produções argentinas, e assim surgiu o formato atual da websérie.

Os episódios mostrando um locutor narrando o cotidiano de Kirlian passaram a ser publicados no YouTube e no Vimeo desde 2017. Foram cinco episódios, cada um levando três meses para ser produzido e publicado. No meio do ano passado a série simplesmente sumiu dos canais onde estava hospedada, mas retornou há algumas semanas na Netflix, lançada de forma internacional e com localização em português e inglês.

Vale a pena assistir?

É uma pergunta bem fácil de responder. Nunca fui fã de produções de suspense ou de terror. Considero boa parte galhofa demais ou forçada demais. Por outro lado, sempre fui um apaixonado pelos trabalhos de Stephen King, que tem forte influência sobre a série em questão. A proposta da animação é diferente, com episódios curtíssimos e intrigantes. A impressão que se tem é que houve muito cuidado na produção, que termina seu último episódio com gostinho de "quero mais".

Os episódios não são ligados entre si e poderiam, sim, ser mais profundos e duradouros. A cada pequeno conto aumenta ainda mais a vontade de conhecer o vilarejo macabro da telinha. Sem dúvida alguma, A Frequência Kirlian é uma série que vale a pena assistir.

Comentários