Revelação


Dor. Foi o que Laura sentiu antes de abrir os olhos. Ao mesmo tempo em que incomodava, a dor lembrava que a dama do fogo havia sobrevivido. Mais do que isso, a jovem também se sentia humilhada.

Em todos os seus anos como combatente e mercenária profissional, Laura nunca havia amargado tamanha derrota. E o culpado era aquele homem. Do cabelo castanho. Ou era carmesim? Tinha certeza de que algo estava errado.

As luzes da enfermaria começaram a incomodá-la. Estava praticamente sozinha no quarto. Ao menos três outros leitos eram ocupados por pessoas que foram derrotadas no Torneio Místico. Estranhou não ver algum médico ou enfermeira no local.

Conseguiria se levantar? Tentou. Conseguiu. Saiu do quarto e foi para o corredor. Começou a ouvir um alto barulho. Eram vozes, de milhares de pessoas. Percebeu que do lado de fora estava a arena. A final do torneio estava prestes a começar. Por sorte, Laura acordou a tempo de ver a última luta.

Se misturou em meio à multidão nas arquibancadas. Os narradores, animados, anunciavam o último confronto. Eciel, do Distrito 19, o rapaz de cabelos castanhos, entrava de um lado. Do outro estava Evard, o general que fora derrotado pela dama de fogo na edição anterior do torneio.

Aquele que era considerado o rosto da maior corporação paramilitar do mundo parecia diferente. Seus olhos pareciam não ter pupilas e íris, pois eram inteiramente brancos. Os cabelos estavam grisalhos. No entanto, parecia estar em seu auge físico. Eciel, se este era seu nome mesmo, seria facilmente derrotado, pensou Laura.

O combate começou. Evard se movia muito rápido. Avançava e atacava tal qual um lince. Mas o adversário também era veloz. Enquanto o general tentava acertar qualquer golpe que fosse, Eciel se evadia, sem retrucar.

A situação deixou o general visivelmente incomodado. Após mais de cinco minutos em uma espécie de jogo de gato e rato, nenhum dos dois demonstrava cansaço. Sem deixar a arena, Eciel desviava de cada golpe, recuando pouco a pouco. Evard continuava investindo, ficando cada vez mais irritado.

De repente o primeiro golpe. Ninguém viu como aconteceu, apenas o desfecho. O general foi arremessado e caiu a 20 metros de distância. Estava visivelmente furioso a essa altura. Murmurou algo que Laura não conseguiu entender. Era muito provável que ambos os combatentes haviam se esquecido da arquibancada e o público ao redor do centro da arena.

Em um piscar de olhos Evard começou a emanar uma forte energia. O público todo conseguiu sentir a pressão exercida por ele. Uma aura branca, quase imperceptível, cercou seu corpo. Os olhos brancos emitiam luz. O combate ficara sério.

Ninguém viu como ele saiu do local onde estava e se posicionou atrás de seu adversário. Eciel não demonstrou surpresa. Sem ao menos encarar o general, o rapaz desviou de um golpe que certamente parecia fatal.

Evard demonstrava sinais de cansaço. Eciel permanecia sereno, mantendo a mesma expressão que tinha desde o início do torneio. O general ficou descontrolado. Movia-se de forma que o público não conseguia vê-lo. Quem acompanhava a luta enxergava apenas os rastros da destruição causada por ele na arena. Por onde passava, Evard levantava o chão.

Os narradores tratavam a evasão de Eciel como um milagre. A arena toda sentia o impacto do general, mas o jovem permanecia intocado. Dramática, a última luta do torneio chegava aos trinta minutos de duração.

De um lado estava um dos maiores vencedores do torneio, agora encoberto por um manto quase translúcido. Do outro, um iniciante que havia destronado a dama de fogo e estava prestes a destruí-lo.
Laura tentava acompanhar o ritmo dos combatentes, assim como todos os presentes na arena. Foi quando Evard parou de se mexer. Sua força acabou? Eciel esboçou um riso malicioso de canto de boca. Parecia estar esperando a brecha para atacar o oponente, e aquela deveria ser a oportunidade.

Mas como? Havia o desafiante desconhecido sabotado o general? Não, não era possível. Laura pensava que a luta foi estendida de propósito. O objetivo era claro, fazer com que Evard usasse o máximo de poder e acabasse fadigado em algum momento. Não parecia uma estratégia honrada, mas era eficaz.

A plateia ficou estupefata com o que aconteceu a seguir. Enquanto o general fazia esforço para até mesmo piscar os olhos, Eciel foi coberto por uma aura vermelha. Sua roupa, até então branca, ficou preta. Olhos e cabelos vermelhos. Agora, sim, se assemelhava à figura que aparecia nos sonhos da dama de fogo. Teve certeza de que era ele.

A aura desapareceu, mas Eciel permaneceu em sua nova forma. Outra revelação em seguida. A voz do desafiante reverberava pela arena. “Ouçam todos. Chamo-me Rujick Fanyc, filho de Otto. Alguns de vocês me conhecem por Vermelho. E neste momento sentencio Evard, general da Organização, a perder todo seu prestígio e poderes”.

A arquibancada respondia com silêncio. Até mesmo as vozes dos narradores se calaram. Os capas-brancas, soldados da Organização que faziam a segurança do torneio moviam-se nervosamente entre o público, tentando chegar ao centro da arena.

Em questão de milissegundos Vermelho se materializou diante de Evard. A mão direita sobre a cabeça do general. Forte luz. O cabelo grisalho ficou preto. O corpo perdeu os músculos visíveis e tomou feições esqueléticas. Os olhos foram substituídos por dois buracos.

Evard não fora simplesmente derrotado, mas sim destruído. Os capas-brancas alcançaram os combatentes. Espadas, armas de fogo e lanças apontadas para Vermelho. Laura sentiu fluir a mesma energia monstruosa que tomou conta do saguão de inscrições do torneio dias atrás.

Os soldados não conseguiam se mover. Ninguém se mexia. Os olhos de Vermelho pareciam arder. E então ele sumiu. Nenhum rastro de energia. Todos ainda estupefatos com o que acabaram de presenciar. Os capas-brancas estavam perdidos, não sabiam como e onde procura-lo.

Mas Laura tinha uma pista do que fazer. Iria atrás do homem. Queria, de uma vez por todas, descobrir o que seus sonhos significavam e o que deveria fazer.

Este post faz parte do projeto "Contos de Naroly", com atualizações semanais. Siga o autor no Wattpad

Comentários