Segundatina: Dragon Ball Legends


Dragon Ball é de fato um nome muito forte e que transforma em sucesso de vendas todos os produtos lançados com esta marca. Não é difícil de imaginar, portanto, que na era dos jogos freemium esta fosse uma franquia a ficar de fora da onda.

Foi justamente por isso que a Bandai Namco desenvolveu Dragon Ball Legends, publicado para Android e iOS e que traz uma mecânica já conhecida daqueles que se consideram verdadeiros mobile gamers, a de personagens desbloqueáveis em um sistema de gacha, ou basicamente em loot box.
Uma das estratégias para transformar Dragon Ball Legends em um jogo atrativo foi a introdução de um personagem inédito que move a história do game. Trata-se de Shallot, um misterioso sayajin que tem seu passado revelado no modo singleplayer.
A Bandai Namco jura que Shallot
 foi desenvolvido pelo próprio Akira Toryiama,
criador de Dragon Ball - Reprodução/Google

Modos

O jogo pode ser dividido em dois modos, sendo eles single e multiplayer. No single você gasta energia para cumprir missões da história e participar de eventos para desbloquear novos personagens. Também há opções de aventura e treinamento nesta modalidade, tornando menos tediosa a mecânica de “farmar” itens para subir os personagens de categoria.

O modo multiplayer tem um PVP que pode ser jogado de forma casual ou rankeada. É possível levar até três heróis para cada batalha, e um sistema de pedra-papel-tesoura torna as coisas bem interessantes. Uma curiosidade é que o modo online não gasta energia da limitada barra do jogo, o que pode ser considerado muito positivo.

Combate
A luta em Dragoon Ball Legends ocorre com toques na tela. Existem cartas que aparecem no decorrer do combate e permitem executar ações como ataque de curta distância, ataque de longa distância ou aplicar buffs. Algumas destas cartas vem marcadas com esferas do dragão, e ao usar sete delas é possível executar o Rising Rush, um ataque especial que geralmente finaliza o inimigo.
Tela de combate do game - Reprodução/Google

Conclusão

Seguindo a estratégia de muitos freemium, Dragon Ball Legends não é pay to win, mas tem sua moeda paga, baseada nos Chrono Crystals. Quanto mais deles você tem, mais pode gastar para tentar desbloquear personagens novos no modo de sorteio. É um game bacana tanto para quem quer curtir algo novo da franquia, como a história, quanto para quem deseja apostar na competitividade. Como falei no início do post, o jogo está disponível para Android e iOS, e você pode baixa-lo na Google Play ou na App Store.

Comentários